TYPO3 Cumulus Flash tag cloud by TYPO3-Macher - die TYPO3 Dienstleister (based on WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck) requires Flash Player 9 or better.

 

Investimento em energia limpa e inovação tecnológica são caminhos para maior eficiência energética

Mesa de abertura com a participação de Guilherme Faria, do Governo do Estado de MG, Bernardo Afonso S. de Alvarenga, Diretor Presidente da CEMIG, Rodrigo Perpétuo, Secretário Executivo do ICLEI América do Sul, Anderson Cabido, Diretor Técnico do SEBRAE-MG, e Renato Werner, Cônsul da Eslováquia em Minas Gerais. Foto: Ignácio Costa/ICLEI América do Sul
Vladimir Azevedo, conselheiro do ICLEI América do Sul, mediou o debate entre os representantes do MMA, MME e MinCid no 1o painel. Foto: Ignácio Costa/ICLEI América do Sul
2o painel focou em iniciativas do estado de MG e Inovação, com representantes de 8 instituições. Foto: Ignácio Costa/ICLEI América do Sul
Prefeito de Palmas, Carlos Amastha, apresenta o Programa Palmas Solar durante 3o painel. Foto: Ignácio Costa/ICLEI América do Sul
Ao final, cidades comprometidas com a Plataforma Global do BEA fazem foto oficial. Foto: Ignácio Costa/ICLEI América do Sul

Da escala nacional à municipal, uma série de iniciativas para otimizar a geração e consumo sustentáveis de energia foram apresentadas como novas oportunidades para o desenvolvimento local e para a economia brasileira, durante o Seminário de Eficiência Energética nas Cidades, em Belo Horizonte, na última quinta-feira (21/09).

Sediado na capital de Minas Gerais, estado que é referência nacional na geração de energia solar descentralizada, o seminário reuniu representantes do setor público e privado para discutir as oportunidades econômicas, sociais e ambientais do melhor aproveitamento energético, seja em edificações, transporte e climatização, como também identificar as barreiras para ampliar sua disseminação no Brasil. A cidade de Palmas e o estado de Minas Gerais, por exemplo, relataram como tem estimulado a geração de energia solar a partir de incentivos fiscais e se focando na instalação de painéis fotovoltaicos em edificações públicos, como escolas e prédios administrativos.

Além da geração de novas oportunidades de emprego e novos mercados, essas iniciativas também significam expressiva redução dos gastos públicos. Os gastos com energia elétrica são a segunda maior despesa dos municípios, segundo mostrou Paula Baratella, do MME.

O evento, realizado no âmbito da Plataforma global Acelerador de Eficiência em Edificações (Builiding Efficiency Accelerator - BEA), reuniu pela primeira vez as seis cidades brasileiras que assumiram um compromisso com a iniciativa. Representantes das prefeituras associadas ao ICLEI: Porto Alegre, Palmas, Belo Horizonte, Porto Alegre, Betim, Contagem, Fortaleza e Recife anunciaram compromisso com a iniciativa mundial, que se propõe a dobrar a taxa de melhoria da eficiência energética no setor da construção até 2030.

O Seminário “Eficiência Energética nas Cidades” é uma iniciativa do ICLEI - Governos Locais pela Sustentabilidade e do World Resources Institute Brasil (WRI Brasil), com apoio da BYD, Sebrae-MG, Prefeitura de Belo Horizonte, CEMIG e Governo do Estado de Minas Gerais.

Acesse o página do evento com mais conteúdos

Confira os destaques dos painéis temáticos e veja a programação completa:

Painel 1| A tendência crescente de urbanização e aumento da população nas cidades pautaram as falas dos três representantes do Governo Federal no primeiro Painel "Iniciativas do Governo Federal para promoção da eficiência energética em municípios brasileiros". O desafio está posto, especialmente para a América do Sul e para o Brasil, onde as taxas demográficas nas cidades já superam 80%. “Então, qual é a energia que nos move nessa agenda?”, provocou o moderador do Painel, Vladimir Azevedo, conselheiro do ICLEI América do Sul e ex-prefeito de Divinópolis. Especialistas do Ministério do Meio Ambiente, Ministério das Cidades e Ministério de Minas e Energia apresentaram um panorama de iniciativas nacionais em curso que estimulam maior eficiência nos municípios, como, por exemplo, o PROCEL. Uma das grandes diretrizes nacionais para essa questão é o compromisso da NDC brasileira de ampliar a participação de renováveis na matriz energética, aumentar o uso de biocombustíveis e alcançar 10% de ganhos de eficiência no setor elétrico até 2030.

Painel 2|
O segundo painel abordou políticas energéticas em Minas Gerais e oportunidades para municípios e pequenos empreendimentos, com a participação de representantes do setor público e privado. O debate demonstrou o forte componente de inovação nas iniciativas de eficiência energética no estado, além de suas conexões com o desenvolvimento urbano sustentável. O estado de MG é referência nacional em geração distribuída por fonte limpa, especialmente energia fotovoltaica, com participação de mais de 20% no país. Guilherme Faria, Superintendente de Política Mineral, Energética e Logística da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Governo de Minas Gerais, relatou que o estado possui legislações fiscais e tributárias que buscam estimular maior adesão à geração distribuída. Além da geração de energia por fontes limpas e mais eficientes, o painel explorou novas tecnologias que podem levar à otimização do consumo energético nas cidades, como iniciativas em mobilidade elétrica e aplicativos de gestão de mobilidade em diversos modais, como por exemplo as plataformas Connect Me e Mobi.me.

Painel 3| No terceiro e último Painel, o Prefeito Carlos Amastha, da Prefeitura de Palmas lançou luz à perspectiva municipal e contou como as cidades podem implementar uma estratégia robusta para ser mais eficiente e com fontes limpas de energia. A capital do estado de Tocantins, que agora é Membro ICLEI, estabeleceu o Programa Palmas Solar alinhado com uma série de legislações locais para estimular a geração de energia fotovoltaica em edificações públicas e privadas. Para os prédios públicos a geração por fonte limpa é obrigatória e para os particulares a instalação é opcional. Para estimular maior adesão, o Programa oferece descontos de até 80% em tributos locais, como IPTU e ITBI. Além dos benefícios de redução de emissões de GEE e de poluição, Amastha relatou que o investimento em eficiência energética movimenta a economia, torna o recurso mais barato e reduz muito os custos operacionais para a gestão municipal. 

 
 
 
Google+
PT | ES